quinta-feira, 14 de julho de 2011

TORRE VISITA BGCON

A Torre das Peças, representada por Warny Marçano e Fel Barros, conferiram o evento BGCON no final de semana dos dias 09/07 e 10/07, voltada para a divulgação dos jogos de tabuleiro modernos.
O evento teve como ponto alto as ótimas palestras, que se iniciaram logo cedo com a mesa redonda entre Gustavo Barreto, Thiago Bueno, Marcelo Bissoli, Wagner Rodrigues, Renato Sasdelli, Sergio Halaban e Marcos Macri. Alguns pontos importantes foram levantados, como a formação do público de tabuleiro no Brasil, a catequização de novos adeptos e a importância do crescimento do mercado lúdico. Tais conceitos precisavam, contudo, ter mais espaço, pois é por causa desse público que se organiza eventos como a Festa do Peão de Tabuleiro (FPT), mencionada na discussão, e que definirá o sucesso de eventos que estão iniciando, como a própria BGCON.

Warny Marçano e Vanessa Monteiro, da FunBox

As duas salas reservadas para a demonstração de jogos ficaram lotadas nos dois dias. O público (mais voltado para o RPG, pois a BGCON foi realizada dentro da RPGCON) gostaram muito de títulos como Battlestar Galactica, Arkham Horror, Pandemic, Dominion, Agricola, dentre outros que estavam expostos no local.



Warny Marçano, Fel Barros e Wagner Rodrigues, da FunBox

Houve a distribuição gratuita do jogo BGConfusão, um card game que se utiliza de mecânicas similares ao Citadels e Cash'n Guns, onde o vencedor é aquele que chegar a cinco níveis de experiência. O fato do público precisar ir em diferentes mesas de empresas para ganhar cartas da expansão do jogo ofereceu uma dinâmica criativa e acertada para a divulgação entre o público.



O público fã de RPG compareceu em peso às salas de jogos de tabuleiro

Dentre as empresas que participaram do evento, estavam a Hidra Games, que estava lançando o jogo Aero. Pareceu-me um bom jogo, abstrato, que fez sucesso entre os que aprenderam. Muitos compraram o jogo, comprovando o sucesso do lançamento. A Galápagos Jogos estava representada por Renato Sasdelli, presente na palestra de abertura. No entanto, não houve divulgação de seus jogos, pelo menos até onde foi observado. A Ceilikan estava lançando o título Pássaros, de Marcos Macri. O autor estava presente no local, ensinando, jogando e autografando seu jogo, que pode-se dizer que foi um sucesso dentre os que conheceram e muito vendido no estande da Art Games.


O jogo "A Guerra do Anel" montado para exibição.

As palestras de domingo continuaram sendo de alto nível, a começar pela conduzida por Marcos Macri, onde o assunto principal era como criar protótipos de jogos. O autor de Pássaros trouxe vários exemplos de protótipos de seus jogos, incluindo a versão original de seu lançamento, anteriormente intitulado de "Borboletas". As dicas de Macri incluíram onde encontrar material para caixas, tabuleiros e componentes, como organizar idéias para regras e design, dicas de impressão e demonstração de várias peças e cartas existentes em seus protótipos. Houve até mesmo uma discussão bastante interessante sobre direitos autorais e criação de jogos.



















Warny Marçano e Sérgio Hallaban, autor de "Angus", "Jogo da Fronteira", "Sultan", dentre outros.



















Warny Marçano e Marcos Macri, autor de "Pássaros".

A palestra de Thiago Bueno sobre o que é necessário para um jogo ser comercialmente viável abordou medidas para que se produzam jogos no Brasil tanto de criadores nacionais quanto relançamentos vindos do exterior. Foi discutido também sobre distribuição, divulgação e exigências de autores / empresas e as principais dificuldades que existem desde o começo da produção até a venda final para o consumidor.



















Warny Marçano, Thiago Bueno (da Ceilikan) e Fel Barros

Um dos pontos altos do evento foi a palestra "Como ajustar jogos de tabuleiro para organizações", conduzida por José Ricardo Grilo e Clodoaldo Moreira. Eles apresentaram o jogo corporativo D-U-Marã, que trabalha conceitos importantes para as grandes organizações, como liderança, trabalho em equipe e outras características do ponto de vista comportamental. O jogo de tabuleiro como treinamento para grandes empresas torna-se, assim, alternativa para inserção do hobby por outros meios e com outras finalidades. O D-U-Marã mostrou ser uma ótima ferramenta lúdica para as grandes organizações.



















Clodoaldo Moreira e José Ricardo Grilo mostrando características do D-U-Marã.



















Warny Marçano, Clodoaldo Moreira, José Ricardo Grilo e Fábio Formiga (do Joga Fortal).

A BGCon mostrou-se um importante encontro para se discutir o futuro de jogos de tabuleiro (ainda que com falta de espaço e tempo para discussões mais pontuais sobre definição de público consumidor, estratégias de aumento de mercado e outros tópicos) e cumpriu o papel de divulgação do hobby para o público fã de RPG, maioria no local. Porém, é preciso melhorar em alguns pontos para que se torne um evento verdadeiramente nacional, pois os muitos pontos positivos do evento não foram aproveitados por várias pessoas importantes no ambiente lúdico, que poderiam ter vindo e não compareceram. É preciso que haja uma estratégia para que mais pessoas envolvidas com jogos de tabuleiro no Brasil queiram sair de seus estados para aproveitar o evento. De qualquer forma, o ponto de partida foi dado e que venha o próximo encontro!



















Alguns jogos disponíveis para o público na BGCon.

Links úteis:




2 comentários:

Magoo disse...

Olá,

Apenas avisando que o link da Fun Box está quebrado (faltou o http:// na hora de adiciona-lo ao blogger) e o link da Hidra Games está incorreto, direcionando para um site de download.

Warny Marçano disse...

Valeu, Magoo, vou fazer as alterações!

Abraço!

Warny