segunda-feira, 14 de março de 2011

24ª TORRE DAS PEÇAS - CYLONS, GLEN MORE E OUTRAS COISAS MAIS

por Warny Marçano

Mais uma edição da Torre das Peças no Spoleto Largo do Machado e mais uma vez ultrapassamos o número de 50 pessoas presentes. Quem chegou cedo, viu duas novidades sendo jogadas, o Vinhos, puxado pelo Victor Zavandor, Caldas e Nuno; e o Tikal II, jogado pelo Gláucio.
Só que o destaque da manhã ficou por conta do Battlestar Galactica! Dessa vez, a novidade ficou por conta da expansão Exodus, nunca antes jogada por aqui. Ela acrescenta, dentre outras coisas, objetivos pessoais para os humanos, um tabuleiro com uma nave-mãe, que apresenta novas ações para os cylons, além de novas cartas de habilidade e de crise. Mas a mudança maior fica por conta dos trauma tokens, que cada jogador recebe três no começo do jogo e pode adquirir mais ao longo da partida indo para a sick bay ou para a brig. Em alguns lugares da nave, os jogadores encontram outros personagens que podem atrapalhar ou ajudar, depedendo do tipo de trauma token que está na respectiva carta do personagem. Logo depois do encontro, o jogador sorteia outro personagem e coloca secretamente um trauma token seu em cima da carta.


















A mesa bem dividida de Battlestar Galactica: eu e Ballard ao fundo como cylons acabando com os recursos da nave!


















Gláucio ensinando um dos mais recentes lançamentos do Kramer: Tikal II

















Victor Zavandor, Caldas e Nuno jogando Vinhos. Victor: "Estou quase zerando mais um jogo!"; Caldas: "Não é um jogo do Martin Wallace..."

Na partida, Leandro Zombie foi atingido por um raider e parou na sick bay, onde tirou um trauma token que fez com que ele fosse executado! Voltando com outro personagem, novamente saiu para o espaço e foi parar de novo na sick bay. Enquanto isso, os recursos estavam ficando no vermelho, sobretudo o combustível e a população. Groo pegou uma carta de crise onde ele podia olhar a carta de lealdade de alguém. Ele me escolheu e logo falou pra todos que eu era cylon! Convenci todo mundo de que o cylon era o Groo, pois ele, sendo o almirante, tinha escolhido uma carta que perdia 3 de combustível! Só que o trabalho de executá-lo ficou comigo, pois eu tinha esse poder do meu personagem. Logo, decidi me revelar como cylon pra poder danificar Galactica duas vezes! Explodi o hangar com duas pessoas, dentre elas o Daniel Ballard, que foi para a sick bay e logo depois executado pelo trauma token! Só que o Ballard também era cylon! Com dois cylons a bordo, 6 de distância percorrida, 3 de combustível e 4 de população, os humanos não resistiram e quando iam fazer 8 de distância, os cylons conseguiram detonar toda a população!
Logo depois do Galactica, eu, Pedro, Daniel e Samuel jogamos um Egizia. O jogo foi muito equilibrado até o terceiro round, onde o Pedro começou a se encaminhar para uma vitória fácil. Eu fiquei em segundo, com o Samuel em terceiro e o Daniel em último. Enquanto isso, Victor resolveu jogar seu jogo supremo, The Scepter of Zavandor! Caldas e Nuno completaram a mesa. Carlos, Daniel, Samuel, Renata e Pedro jogaram o clássico Notre Dame, do Stefan Feld. Gláucio abriu uma mesa de Cave Troll. Flávio ensinou para Rogério, Leandro e João outra grande novidade, o Troyes, uma das grandes surpresas em alocações de dados. E logicamente os fillers marcaram presença, com Saboteur e Bohnanza.


















Egizia com vitória fácil da nova lenda, Pedro! Na mesa, além de
mim, Daniel, Samuel e Pedro


















Flávio, Rogério e João esperando Zombie pra jogar o Troyes!

















Notre Dame, mais um clássico jogo de Stefan Feld sendo jogado no evento!

















Gláucio puxando mais um clássico, Cave Troll!

















Victor: "Não preciso zerar Zavandor, mas jogo assim mesmo!"
Caldas: "Não é um jogo do Martin Wallace..."
Nuno observa...

O destaque da tarde ficou por conta da mesa capitaneada por Leandro Zombie com um jogo de zumbis, claro! Shamou, Groo, Rogério e Lorena completaram a mesa de Zombie Plague. E peça euforia de todos, certamente foi a mesa mais divertida do evento, com direito ao Groo tentando fugir sozinho de uma legião de zumbis enquanto todos os outros já estavam protegidos!
Outro lançamento jogado foi o Glen More, onde ensinei para o Peter, Victor, Rômulo e Caldas. Todos gostaram muito do jogo, que mistura tile placement com gerenciamento de recursos e um mercado simples e funcional. O jogo entra na lista daqueles que se explicam em pouco tempo, joga-se em menos de 1 hora e tem uma complexidade razoável para um jogo com regras simples. Victor, que leu todas as estratégias em hebraico do Glen More, investiu em uísque. Enquanto isso, o Caldas pegou várias villages e castles, fazendo muitos chefes. Eu investi em dois prédios que convertiam bens em pontos de vitória, conseguindo vencer, com o Caldas em segundo.













Shamou e sua legião de zumbis!
Leandro: "Tomara que esse jogo não tenha sick bay!"
Rogério, Groo e Lorena completam a mesa!














O jogo que virou o novo Dominion dos eventos: 7 Wonders!














Galera jogando Saboteur, jogo que sempre vê mesa na Torre!














E pra não perder o costume, mais uma mesa de Bang no evento!


Logo depois, o Fel chega com o 51st State, card game com milhões de ícones e vários combos, a la Race For The Galaxy. Logicamente, eu e Victor sentamos na mesa, junto com o Rômulo. Fel como sempre se fez de mosca-morta, dizendo "estou em último" toda rodada, mas foi o único que conseguiu alcançar os 30 pontos, vencendo a partida, comigo em segundo, Victor em terceiro e Rômulo em último.
E com todos esses lançamentos, ocorreu mais uma edição da Torre, que se destaca pela mescla entre novatos e as figuras já carimbadas do cenário lúdico carioca!

4 comentários:

Leandro Zombie disse...

Todas as jogas foram fenomenais, mas a partida de zombie plagie foi fora de serie!

Balard disse...

Esses humanos não derem nem pro cheiro :) Com um Admiral q gasta combustível desse jeito, quem precis de Cylom? ^^

Gostei da expansão, mas acho q o jogo é difícil demais pra vc ter tempo de passer pela nave pra encontrar os NPCs, a menos q eles estejam num lugar q vc vá visitar, ficam lá perdidos.

Queria é jogar de novo com New Caprica pra ver se chagamos lá.

Leandro Zombie disse...

Cara, o ataque dos cilônios foi pesado. Não consegui fazer durante o tempo que joguei.

Warny Marçano disse...

Pois é, acho que o problema dos NPC's foi que eles caíram em 3 pontos da nave que não costumam ser visitados freqüentemente...mas acho a idéia dos encontros muito boa..

Abs

Warny